um bom cenário das mídias sociais nas empresas

19 06 2010

As 302 companhias respondentes à pesquisa “Mídias sociais nas empresas”, realizada pela Deloitte Touche Tohmatsu, trouxeram um cenário bem aderente ao que tenho observado e vivido em projetos pelo mercado. E por esta razão, eu pincei algumas informações muito relevantes para entender o momento das mídias sociais no Brasil.

Serviços, varejo, bens de consumo, transporte, tecnologia, mídia e telecomunicações respondem por 77% das empresas que utilizam e/ou monitoram mídiais sociais, fato indiscutível se analisarmos as campanhas que mais ganharam notoriedade nos últimos anos.

Um dos pontos interessantes da pesquisa foi a geração de um ranking das iniciativas das empresas em mídias sociais:

  1. Ações de marketing e divulgação de produtos o serviços (83%)
  2. Monitoramento da marca ou mercado (71%)
  3. Vendas ou captura de oportunidades (46%)
  4. Suporte ao cliente, fornecedores ou parceiros de negócio (43%)
  5. Gestão do conhecimento (40%)
  6. Identificação de talentos para contratação (25%)
  7. Integração interna ou suporte a equipes (23%)
  8. Desenvolvimento de produtos ou inovação por meio de colaboração (17%)
  9. Outros (9%)

“Se isolarmos as empresas que usam mídias sociais ativamente e, ao mesmo tempo, não monitoram a rede, nota-se que 29% delas se encaixam nesta situação. Isto é uma forte evidência de que as empresas podem ter adotado as mídiais sociais seguindo a moda ou sem se preocupar com as informações provenientes do mercado”, conclui a pesquisa.

E por que as empresas monitoram as mídias sociais?

  1. Busca por um ou mais benefícios prometidos [pelas mídias sociais] (54%)
  2. Repercussão dada pela imprensa e nas próprias mídias sociais sobre o tema (35%)
  3. Reclamações sobre a empresa feitas por clientes nas mídias sociais (8%)
  4. Uso por concorrentes (4%)

Qual o objetivo ao utilizarem as mídias sociais? [top 10]

  1. Aumentar a reputação da marca (85%)
  2. Gerar mais marketing boca-a-boca (82%)
  3. Criar vantagem competitiva (59%)
  4. Aumentar a fidelidade do cliente (57%)
  5. Aumentar as vendas (55%)
  6. Inovar o modelo de negócios (53%)
  7. Trazer idéias de fora da empresa (50%)
  8. Melhorar o relacionamento com parceiros de negócios (43%)
  9. Potencializar o sucesso de novos produtos (41%)
  10. Melhorar a qualidade do suporte ao cliente (38%)

Como as empresas mensuram as iniciativas de mídias sociais? [top 10]

  1. Número de usuários, usuários ativos, visitantes ou visitantes recorrentes (71%)
  2. Visualização de páginas (63%)
  3. Frequência de visitas (59%)
  4. Tempo de permanência no site (52%)
  5. Taxa de crescimento de usuários (49%)
  6. Número de pessoas que enviam e-mail ou mensagens (48%)
  7. Frequência de postagens (45%)
  8. Citações ou links em outros sites (41%)
  9. Aumento de número de buscas por sua empresa (40%)
  10. Número de pessoas que recomendam sua empresa (32%)

Mas se as mídias sociais parecem ser a bola da vez, por que as empresas impedem o sucesso de seu uso? [top 10]

  1. Falta de tempo para gerenciar mídias sociais ou comunidades (49%)
  2. Dificuldade para fazer com que as pessoas participem (38%)
  3. Falta de conhecimento em gestão de mídias sociais (31%)
  4. Dificuldade para fazer com que as pessoas continuem usando e se relacionando (25%)
  5. Dificuldade para atrair usuários (24%)
  6. Dificuldade para encontrar pessoas com perfil e qualificadas para tocar as iniciativas (24%)
  7. Obtenção de dinheiro para continuar investindo em melhorias (23%)
  8. Relutância dos gestores em compartilhar informação (21%)
  9. Falta de compromentimento da alta liderança da empresa (14%)
  10. Não aplicável (12%)

Foi realmente gratificante ver a blocagem dos temas de forma tão organizada, porém o mercado mostra-se bastante volátil ainda e, certamente, os resultados sofrerão alterações, à medida que a maturidade fincar sua bandeira nas empresas.

Anúncios




academia social media está à disposição para todos

14 02 2008

academia.png

Falar e pensar é bom…mas fazer é melhor ainda [yeah!] A RMA Comunicação e Negócios, uma das 20 maiores agências de comunicação do Brasil, acaba de disponibilizar em seu Social Media Newsroom os materiais da Academia 2.0. Um conjunto de seis módulos de treinamento sobre os conceitos de novas mídias e recursos de softwares sociais.

Os módulos foram desenhados com o objetivo de:
• Alinhar conhecimentos de comunicação “tradicional” com “Social Media”;
• Analisar como os conceitos “Social Media” impactam nos negócios;
• Destacar o papel de cada pessoa na era “we media”;
• Treinar as pessoas no uso dos softwares sociais.

Principais módulos da Academia 2.0:
1. Social Media
2. Social Network
3. Blogs
4. Wiki
5. Podcast
6. RSS





maturidade da empresa incentiva o uso do wiki

26 12 2007

jatos.jpg Sempre tive uma admiração muito grande pelo uso do wiki, mas confesso ter uma grande frustração na sua aplicação no meio corporativo. Como a esperança é a última que morre…veio de um projeto de RH, a experiência extremamente positiva nesse assunto, num cenário que tinha pinta de ser um fiasco.

Decidimos fazer uma “prova de fogo”, apostando na maturidade da equipe de nossa agência. Montamos um wiki no pbwiki. Demos o norte apenas na introdução, ou seja, no objetivo do projeto. Os grupos foram se formando naturalmente, pela ordem lógica e de bom senso de uma festa de final de ano: tema, tipo de comida, decoração, diversão e entretenimento. Não faltou nem o amigo secreto.

Prova de maturidade: os voluntários se formaram naturalmente, sem ninguém cobrar. Nenhum tema ficou sem dono e todos tiveram mais de um no grupo para ajudar.

Democracia social media (redundante?): para não restar dúvida de que estávamos decididos a seguir pela linha democrática, fizemos uma pesquisa online com o zoomerang.

Pulga atrás da orelha: venceu a comida mexicana, com traje preto e branco e banda de rock. Honestamente, colaborador, daria liga?

Mesa de som online: tudo bem que somos uma agência privilegiada de comunicação. Temos três ex-DJs na equipe, mas todos da época do vinil. Não é que pintou uma mesa de som digital, com agulha e pitch, para animar a festa?

Amigo secreto online: a tradicional brincadeira ganhou nova roupagem. Usamos amigosecreto.com.br pela primeira vez, mas a idéia de contratar uma empresa de diversão para produzir os presentes foi interessante. Todos contribuiram com R$ 20 e a empresa levou as famosas havaianas para cada um. O grupo de entretenimento era formado por artistas que ajudavam os participantes a desenharem e pintarem uma arte diferente nas havaianas, seguindo a linha “o estilo do seu amigo secreto.” Enquanto rolava a banda de rock, o grupo secava todas as pinturas, empacotava-as e colocava as etiquetas com os nomes das pessoas. Pela pintura, as pessoas tinham que adivinhar quem era. Foi muito divertido e engraçado.

Sucesso absoluto: 100% da turma considerou a festa excelente, ou seja, auferido estatísticamente, via pesquisa de satisfação interna, foi a melhor confraternização feita na agência em 6 anos de vida.

Autonomia total: todos os anos eu tinha o péssimo hábito de me envolver nas festas da empresa, ruim por um lado, necessário por outro. Hoje me sinto feliz e orgulhoso pelo fato das pessoas terem evoluído tanto em pouco tempo. Alguns que participaram têm menos de um ano de casa. Dessa vez, indiquei apenas o local.

Aprendizado

  • A social media disponibiliza muitos recursos, porém os benefícios proporcionados não são iguais aos resultados alcançados. Nesse caso, a maturidade da equipe foi ideal para a aplicação do wiki. Em outra situação poderia ter sido um fracasso;
  • O wiki foi intensamente utilizado no período inicial. Depois disso foi necessário arregaçar as mangas e fazer acontecer. Já vi casos em que os softwares sociais são atualizados intensamente, e por poucos, porém as coisas não saem da teoria (óbvio!). Aí não existe sucesso mesmo;
  • Não devemos cobrar uma panacéia de colaboradores e de conteúdo. Não estamos preparados para isso. Não existe muito ou pouca colaboração. Existe sim efetividade e realizações. Essa é a razão pela qual considero esse projeto um grande caso de sucesso. Valeu pela satisfação do grupo, pela experiência social media e pela conscientização da cultura web 2.0.




os benefícios da maçã verde para os negócios.

23 09 2007

Pare e pense: quantas mensagens sua empresa gera para o mercado? Por quais canais de comunicação? Agora adicione a tudo isso os meios tradicionais de comunicação e multiplique pelas mídias do mundo social media, dentro do conceito “we media”. Se o volume de informações na web já era sinônimo de caos, o que será de hoje em diante?

Ok, legal essa é fotografia do cenário, mas aonde entra a maçã verde? Imagine que as maçãs vermelhas representem as informações do mercado e a verde os diferenciais do seu negócio. Ah! O óbvio novamente? Não! A diferença é que as empresas vivem dois dilemas, historicamente, sem um bom índice de respostas de valor agregado:

1. Como mostrar o benefício de suas ofertas para o mercado pelo uso da comunicação [a resposta de U$ 1 milhão, com baixos índices de sucesso, porém com muitas tentativas];

2. Como fazer o mercado despertar para uma oferta que eles nem imaginam que exista e passem a buscá-la na web de forma planejada [me refiro ao novo horizonte que o social media abre, sem precedentes e sem limites].

Confira quando o mercado vai se encontrar para discutir abertamente os benefícios da maçã verde para os negócios no Brasil.





o preço do software freeware.

22 09 2007

Você que chegou a este blog, provavelmente pelo buscador do Google, já deve ter se perdido em meio a vários login’s e senhas de coisas interessantes garimpadas na web. Aí eu te pergunto: quantos softwares sociais vistos por você caíram na categoria “arquivo morto”? Deixa eu adivinhar: blogs no blogger ou wordpress; wikis no pbwiki, mediawiki; comunidades no orkut, linkedin e daí por diante.

Quais foram os fatores que te seduziram para ficar navegando em tantos websites?

1) A proposta de valor;

2) O fato de ser freeware;

3) A facilidade de aprendizagem e manuseio;

4) A interface gráfica…

De todos os itens mencionados, o freeware é um dos que tem sido mais usado em minhas conversas no mercado. É justamente aí é que mora o perigo! Justifico:

1) Os softwares sociais, na categoria freeware, atingem um patamar de uso que exigem um upgrade pago (e justo), pois tudo que evolui está tendo dedicação e, no mínimo, está sendo intensamente usado;

2) Um software social bem usado exige disciplina, interesse, pesquisa e tempo…e tempo hoje é dinheiro;

3) Um software social exige conteúdo e mudanças de set up que agregue valor à sua audiência. Produzir um texto com links e pesquisa, um podcast, um white paper ou mesmo um simples power point exige cérebro, ou seja, custa $$;

Conclusão: freeware é o princípio de tudo, pois torná-lo útil exige $$, seja em espécie, em tempo ou em cérebro. Entenda isso pelo ângulo que mais te incomodar.





experiência social media: o início de tudo!

16 09 2007

aniversario-1.jpgbaloes.jpgA rma está completando 12 meses de experiência no mundo social media. Tudo começou com o tema “inovação” em nossa empresa. Acompanhe a trajetória de evolução, afinal, foi muito trabalhoso:

[até Q3/06]

Profundo estudo do conceito “Blue Ocean Strategy“:

  • Desenvolvimento de projetos para clientes do mercado de TI;

[Q3/06]

Campanha de endomarketing “Inovação” – etapa 1:

  • Divisão dos colaboradores em grupos com as etapas: sentir, pensar;

[Q4/06]

Campanha de endomarketing “Inovação” – etapa 2:

  • Divisão dos colaboradores em grupos com as etapas: expressar e fazer;

[Q1/07]

Grupo vencedor – “projeto webmarketing360◦.com”:

  • Tem início o contato com a web 2.0;
  • Estudo do tema “web 2.0”;

[Q2 – Q3/07]

Implantação da Academia rma next generation:

  1. Business 2.0;
  2. Social Media;
  3. Wiking;
  4. Blogging;
  5. Feeding;
  6. Social bookmarking;
  7. Social networking;
  8. SEO;

Desenvolvimento da oferta social media:

  • Planejamento;
  • Projetos;
  • Operação;
  • Acordos de parceria;

[Q3/07]

Primeiros projetos social media.

[aprendizado: colaboração foi efetivamente a base do projeto. Obrigado a todos!]





dez coisas pouco conhecidas sobre o Wikipedia.

26 08 2007

wikipediaÉ comum as pessoas entrarem na maior enciclopédia do mundo e, de cara, digitarem um assunto na janelinha do “search”, localizado na primeira coluna da esquerda. Por essa razão, quase ninguém nota o seguinte link no canto superior direito de todas as páginas: Ten things you didn’t know about Wikipedia . Vale a pena ver na íntegra. Interessante foi o recado dado ao público-alvo: pessoas que tiveram “limitada” experiência com o projeto Wikipedia, tais como jornalistas, editores novos e novos leitores. Dá a impressão que a vitrine está sendo apedrejada. Confira os tópicos e comente:

01) Não estamos à venda;

02)Nosso trabalho pode ser usado por qualquer pessoa, desde que respeitadas algumas condições;

03)Nós falamos Banyumasan[a idéia é mostrar a vasta abrangência de povos que colaboram];

04)Na verdade, você não pode mudar nada na Wikipedia;

05)Nós somos muito cuidadosos com a qualidade de nosso trabalho;

06)Nós não esperamos que você acredite em nós;

07)Não estamos sozinhos;

08)Nós somos apenas coletores;

09)Nós não somos uma ditadura e nenhum outro sistema político;

10)Nós estamos neste projeto para uma longa viagem.